O câncer de Mama e a importância da alimentação!

Estamos em Outubro, o mês alerta para a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de mama, mas foi no verão do ano 2000 que essa doença mudou minha vida. Naquele ano, minha mãe recebia o resultado dos seus exames de rotina. Eles apontavam um câncer maligno na mama direita. Nem que eu viva mil anos vou conseguir descrever o que eu senti naquele período. Histórias como essa – infelizmente – são mais comuns do que a gente imagina.

O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais frequente no Brasil e no mundo, mas apenas 5 a 10% do total de casos são de caráter hereditário. Portanto, PREVENIR É FUNDAMENTAL. E ao contrário do que a gente pensa, o auto-exame e a mamografia não são “prevenção” e sim “diagnóstico” e como tal, eles devem ser feitos regularmente, pois se a doença for detectada em estágio inicial a chance de cura chega a 90%.

Para se prevenir uma doença – seja câncer ou gripe – a gente precisa tomar algumas medidas ANTES que ela apareça. E a alimentação é uma delas. Conversei com a Fernanda Bortolon, amiga e nutricionista especialista em nutrição oncológica e pedi algumas dicas! Olha só!

comacomidaNão é preciso comer nenhuma semente-dos-alpes-da-Tazmânia-oriental para nos alimentarmos de forma saudável. Segundo a Fernanda, os alimentos do nosso dia a dia contêm substâncias poderosíssimas contra várias doenças, entre elas o câncer. São eles: “Brócolis, Couve, Couve-flor, Mostarda, Agrião, Repolho, Tomate, Cenoura. Do lado das frutas, estão as ricas em vitamina C como a laranja, o limão e a tangerina. As vermelhas – Morango, Amora, Mirtilo – também contêm fitonutrientes anticancerígenos, chamados de antocianinas, que retardam o crescimento de células pré-malignas”.

E atenção: o preparo dos alimentos também pode estar relacionado a casos de câncer. Evite frituras e de preferência coma os vegetais crus ou levemente cozidos/assados. As altas temperaturas fazem com que os nutrientes se percam. A Fernanda também destaca a importância de diminuir o uso de sal na hora de fazer a comida. “Utilize temperos naturais como cebola, alho, salsa, manjericão, orégano, açafrão, por exemplo. Eles contém propriedades antibacterianasantifúngicas e anticancerígenas, inibindo a ligação de elementos carcinógenos ao DNA”. Ta bom ou quer mais?

sojaSegundo a nutri Fernanda, “a soja tem substâncias conhecidas como fitoestrógenos, que apresentam estrutura química similar ao estrógeno. O estrógeno é um hormônio com função proliferativa e que, em altas quantidades, aumenta o risco de câncer de mama. Dessa forma, o consumo de soja poderia influenciar de forma negativa a evolução da doença. Entretanto, até o momento, nenhum estudo comprovou qualquer relação do uso da soja (e derivados) ao desenvolvimento de câncer. Sendo assim, mulheres podem manter a soja em sua alimentação, desde que seguindo sempre a recomendação de seus médicos e nutricionistas”. 

gorduraO tipo de gordura que você consome também é super importante para prevenir o câncer de mama.  De acordo com a Fernanda “o consumo excessivo de gorduras saturadas, como a da carne vermelha, aumenta os índices de câncer de mama principalmente na pós-menopausa”. A dica é comer mais carnes brancas, peixes e – quando o churrasquinho for inevitável – opte pelos cortes com menor teor de gordura, como fraldinha, maminha e o filé mignon. 

Outra dica é inserir na dieta o azeite de oliva, as nozes e o abacate uma vez que esses alimentos tem as chamadas “gorduras boas” com propriedades anticancerígenas. Os fitoesteróis das nozes, por exemplo, bloqueiam os receptores de estrógeno nas células de câncer e evitam seu crescimento.

carboA farinha branca, o arroz branco e o açúcar são o gatilho para mudanças hormonais que podem provocar o crescimento de células cancerígenas. Troque esses alimentos por suas versões integrais e inclua também grãos ricos em fibras e lignanas, como o grão de bico, a ervilha, a linhaça e o gergelim. As lignanas são substâncias que se juntam aos receptores de estrógeno impossibilitado o hormônio de exercer seus efeitos.

vinhoO uso de álcool pode representar um risco maior de câncer de mama, especialmente quando associado ao uso de anticoncepcionais. Meia taça de vinho pode dobrar o nível estrógeno no sangue da mulher (e a gente já viu que estrógeno em alta é perigoso). Ao mesmo tempo, o vinho tinto contém resveratrol - repete comigo RES-VE-RA-TROL – uma substância antioxidante presente na casa da uva, que se mostrou benéfica contra vários tipos de câncer e problemas do coração. Mas antes de cair para dentro do barril, fique esperta! A nutricionista Fernanda alerta que o excesso de álcool fragiliza a imunidade e prejudica o metabolismo. Vale deixar o vinho somente para ocasiões especiais e tomar suco de uva orgânico.

mexa-sePesquisas sugerem que a atividade física, mesmo quando iniciada tardiamente, pode reduzir o risco de câncer de mama em até 10%. E não precisa virar maratonista não, basta uma caminhada de 30 minutos, durante 5 dias na semana para se beneficiar. O que importa aqui não é intensidade e sim a dedicação que você tem em CUIDAR DE SI MESMA!

E a receitinha de hoje traz ingredientes que ajudam no combate ao câncer. E eu dedico a minha Mãe, minha musa inspiradora que venceu a luta contra o câncer e me ensinou a ter sempre um sorriso no rosto não importa o tamanho da batalha! Te amo!

SUCO OUTUBRO ROSA

1 copo de suco de uva orgânico

1/2 copo de framboesa (usei aquelas que vendem congeladas)

1/2 copo de amora (congeladas)

1/2 copo de morango

2 gelinhos de couve

Bata tudo no liquidificador e use a Chia para decorar!

suco outubro rosa

Saúde!

 

22

Oct

Gente que inspira a gente: Paula Pfeifer

Aqui no Santa a gente fala muito em saúde. Mas você já parou pra pensar na sua saúde auditiva? Pois é… Ela é uma parte essencial nas nossas vidas, mas só nos damos conta disso quando perdemos a nossa capacidade de ouvir. Foi o que aconteceu comigo, no último mês, quando tive o tímpano rompido por conta de uma inflamação.

E ninguém melhor para falar sobre esse tema do que minha amiga Paula Pfeifer. A Paula faz um trabalho do qual eu sou MUITO fã no blog Crônicas da Surdez, ao inspirar pessoas que tem problemas de audição como ela, a enfrentar os desafios da deficiência com muito otimismo e coragem. Não escutar jamais foi um fator limitante na vida dessa gaúcha-faca-na-bota. Poliglota, ela se comunica oralmente e já viajou esse mundão inteiro s-o-z-i-n-h-a! No blog ela mostra com a própria história e através de depoimentos, que os surdos podem (E DEVEM!) levar uma vida feliz, independente e produtiva.

E, depois de tanto sucesso, o site acabou virando um livro (que já está na segunda edição!). Com a palavra, a Paulinha!

paula pfeipfer

“Fui perdendo minha audição progressivamente desde a infância até me ver com deficiência auditiva bilateral de grau profundo no ano passado. Traduzindo, eu só conseguia ouvir alguma coisa com aparelhos auditivos super potentes e era 100% dependente da leitura labial. Conversar no escuro? Nem pensar! Ficar sozinha em casa? Ruim, ainda mais se alguém tocasse interfone ou campainha. Falar ao telefone? A última vez que fiz isso numa boa foi há mais de dez anos. O convívio social já estava comprometido: evitava locais escuros e barulhentos (todos são!!!) e só me sentia bem conversando com uma pessoa por vez. É dificílimo acompanhar as conversas com duas ou mais pessoas quando você não ouve.

Passei por todas as fases chatas que qualquer pessoa com deficiência passa: raiva, negação, isolamento... Nunca tive por perto ninguém com o mesmo problema e cresci sem ter com quem conversar sobre isso. Então em 2010 criei o Crônicas da Surdez e foi sensacional! Com o blog, pude ser para pessoas do país todo a amiga que sempre quis ter e nunca tive. A surdez é a deficiência invisível: você olha para a pessoa e não vê nada de errado com ela. E, por falta de informação – mas principalmente por má divulgação da mídia – a heterogeneidade da surdez não é divulgada. Quando alguém lê a palavra SURDO vai logo pensando em língua de sinais, escola especial, intérprete... Só que isso não existe na vida de pessoas como eu, que são surdos oralizados. Surdos oralizados falam normalmente como qualquer pessoa que ouve, o português é sua primeira língua, não usam língua de sinais e têm necessidades de acessibilidade diferentes (por exemplo: closed caption e atendimento por chat ou SMS em vez do inútil 0800 especial). Muitos usam aparelhos auditivos e implantes cocleares para voltar ao mundo dos sons, outros vivem bem no silêncio. Acho importantíssimo esse trabalho de desmitificar a surdez. Em especial porque – vou usar a frase da Helen Keller – ‘a cegueira nos afasta das coisas, a surdez nos afasta das pessoas‘.

Em março de 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez e me surpreendi com a repercussão – ele foi indicado numa matéria de duas páginas na Vogue Brasil e até mesmo na Vogue Portugal. Concorreu ao prêmio da Fundação Biblioteca Nacional, foi para a Feira do Livro de Frankfurt. Mas isso não foi nada perto dos depoimentos das pessoas que se sentiram ajudadas pelo livro. Frases como “você deu voz ao meu silêncio”, “você me fez ter coragem de sair do armário da surdez”, “você me inspirou a buscar a tecnologia para voltar a ouvir” não têm preço. Me arrepio até hoje com isso!

Comecei a dar palestras em eventos de otorrinos e fonos e descobri um talento que nem sabia que tinha. E, conhecendo e conversando com várias pessoas desse meio, percebi que havia chegado a hora de descobrir se eu poderia dar o próximo – e único – passo que me restava para não passar a vida presa no silêncio: o implante coclear. Foram meses de indas e vindas a Porto Alegre e mil exames até receber do Dr.Luiz Lavinsky (anjo que o destino colocou no meu caminho) a notícia de que eu era, sim, candidata. No dia 28/09/2013, me operei e em 11/11/2013, fiz a ativação do meu implante coclear. Fui sem expectativa alguma e imaginando (pelos relatos alheios) que ouviria por vários meses vozes de Pato Donald sem conseguir diferenciar se a voz era feminina ou masculina. Para minha absoluta surpresa, saí do consultório com a sensação de ouvir quase como quando ouvia bem. Diferenciei todas as vozes no ato. Até mesmo o ‘shhh’ do ‘xxx’ consegui diferenciar na hora. Ao voltar pro hotel, fui capaz de entender sem leitura labial a minha fono conversando com amãe dela ao telefone.

Hoje, me sinto outra pessoa. São descobertas e redescobertas a cada dia. Tudo me emociona. Nunca fui tão feliz. Escuto minha própria respiração, passarinhos, vento, mar, campainha, tudo. Minha voz melhorou MUITO. Me sinto segura, tranquila, relaxada. Não vivo mais naquele estado de alerta constante de antes – passei a vida sentindo que estava perdendo o que acontecia ao meu redor. Percebi que o mundo é ainda mais sonoro do que eu lembrava. Tudo vibra, tudo faz barulho. Redescobrir as vozes das pessoas que amo é algo que nem consigo descrever em palavras. OUVIR de novo é uma facada no coração e um cafuné na alma.

 

cronicas da surdezPodem falar que sou suspeita, mas eu recomendo muito o livro da Paula, o CRÔNICAS DA SURDEZ! É uma leitura leve (até parece que ela está conversando com a gente) e nesse papo ela vai quebrando vários mitos sobre a deficiência e além disso, ela mostra como é possível ajudar quem tem essa deficiência a ter muito mais qualidade de vida. É inspiração que não tem fim! O livro vocês encontram nas melhores livrarias, mas tem na Apple Store para baixar também! Clica aqui! 

Ah… e vale seguir o Crônicas no Facebook. Hoje em dia, a Paula tem divido as descobertas dela com o implante coclear e eu vibro e me emociono junto a cada postagem! #musapramiméisso!

30

Sep

Receita de Waffle sem glúten (e sem whey)!

Há quem diga que comidinha de vó é a grande vilã da nossa dieta! Quanta injustiça! Pelo menos aqui em casa, Dona Lise sempre falou da importância de um prato colorido. Na mesa nunca faltaram legumes e vegetais variados. Quer melhor amiga da dieta do que isso?

Quando iniciei a reeducação alimentar, ela foi uma grande incentivadora do novo estilo de vida e juntas até adaptamos várias receitinhas clássicas, principalmente bolos e doces! Afinal, avó é mãe com açúcar, não é mesmo? ;-) Uma das receitas que eu mais gosto é a do WAFFLE SEM GLÚTEN! Receitinha super simples e deliciosa! Anotaí!

Waffle sem Glúten da Dona Lise
Dê sua nota!
Imprimir
Ingredientes
  1. 2 ovos
  2. 1 ½ xicara de leite (ou qualquer leite vegetal para os intolerantes!)
  3. ½ xicara de óleo (pode ser de coco, de girassol...)
  4. ½ xicara de açúcar mascavo
  5. 3 colheres de chá de fermento em pó
  6. 1 xicara de farinha de arroz
  7. ½ xicara de polvilho doce
  8. ½ xicara de fécula de batata
Modo de Fazer
  1. Para fazer basta colocar todos os ingredientes no liqüidificador e assar na máquina de waffle!
  2. Para quem não tem o aparelho, pode usar essa receita para fazer panquecas americanas (aquelas mais grossinhas) na frigideira! Essa receita vai super bem com mel e frutas!
Santa Dica
  1. #SantaDica: Coloque um pouquinho de canela na massa ou polvilhe por cima depois de pronto, também fica divino!
Santa Dieta | Porque aqui não tem milagre! http://santadieta.com.br/
 

29

Sep

Página 1 de 6412345678Última »